Português | English

ISSN (Impressa): 2359-4802 | ISSN (Online): 2359-5647




IJCS - International Journal of Cardiovascular Sciences
Edição: 31.1 - 12 Artigos



EDITORIAL

A Cardiologia e o Desenvolvimento Sustentável
Cardiology and Sustainable Development

Claudio Tinoco Mesquita e Mauricio Leão
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)1-3

PDF PORT   PDF ENGLISH  


ARTIGOS ORIGINAIS

Fatores de Risco Cardiovasculares em Mulheres Climatéricas com Doença Arterial Coronariana
Cardiovascular Risk Factors in Climacteric Women with Coronary Artery Disease

Jorgileia Braga de Melo, Roberta Cristina Almeida Campos, Philippe Costa Carvalho, Mariana Ferreira Meireles, Maria Valneide Gomes Andrade, Tânia Pavão Oliveira Rocha, Wilma Karlla dos Santos Farias, Maria Jozelia Diniz Moraes, Josete Costa dos Santos, José Albuquerque de Figueiredo Neto
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)4-11

+   Resumo  
Fundamentos: O aumento da incidência de doenças cardiovasculares em mulheres ocorre durante o período do climatério, especialmente após a menopausa.
Objetivo: O objetivo deste estudo foi identificar fatores de risco cardiovasculares entre as mulheres climatéricas com e sem doença arterial coronariana (DAC).
Métodos: Trata-se de estudo transversal realizado no Serviço de Hemodinâmica do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, no período de março de 2012 a julho de 2013. Foram incluídas 31 mulheres climatéricas que compareceram ao setor para realização do cateterismo cardíaco, separadas em grupos após resultados do cateterismo, Grupo I (com DAC) e Grupo II (sem DAC). Análise estatística: as variáveis categóricas foram descritas por meio de frequências e porcentagem, as numéricas por meio de média ± desvio padrão ou mediana (Quartil.3 – Quartil.1); o teste Shapiro-Wilk para verificar a normalidade dos dados quantitativos, o teste Exato de Fisher para comparações de dados categóricos; para dados contínuos o Test-T para amostras não pareadas ou o Mann-Whitney; foi considerado estatisticamente significativo o valor de p < 0,05.
Resultados: Avaliaram-se grupos com DAC (n = 13) e sem DAC (n = 18), os resultados apontaram média de idade entre os grupos de 57,92 ± 5,15 e 51,72 ± 4,63 anos, respectivamente; dentre os fatores de risco cardiovasculares, os mais prevalentes entre as mulheres com DAC foram: a menopausa (84,62%), a hipertensão arterial sistêmica (HAS) (69,23%) e o sedentarismo (69,23).
Conclusão: Concluiu-se que, além da menopausa propriamente dita, a HAS e o sedentarismo foram os fatores de risco cardiovasculares mais prevalentes entre as mulheres com DAC. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)4-11)

Palavras-chave: Doenças Cardiovasculares, Doença da Artéria Coronariana, Fatores de Risco, Mulheres, Climatério, Hipertensão, Estilo de Vida Sedentário.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Prognóstico da Cardiomiopatia Dilatada com Insuficiência Cardíaca Grave de Acordo com Escalas de Classificação Funcional na Infância
Prognosis of Dilated Cardiomyopathy with Severe Heart Failure according to Functional Classification Scales in Childhood

Ana Teresa Glaser Carvalho, Thays Fraga Duarte, Andressa Sarda Maiochi, Roberto Leo da Silva, Tammuz Fattah, Daniel Medeiros Moreira
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)12-21

+   Resumo  
Fundamento: A insuficiência cardíaca é principal manifestação da cardiomiopatia dilatada na infância, e a avaliação sistematizada dos sinais e sintomas permite acompanhar o resultado do tratamento.
Objetivo: Avaliar o uso de três escalas de classificação funcional da insuficiência cardíaca na evolução de crianças e adolescentes com cardiomiopatia dilatada.
Métodos: Estudo longitudinal e observacional incluindo pacientes de zero a 18 anos com cardiomiopatia dilatada e insuficiência cardíaca inicial grave. Todos foram acompanhados por meio das escalas New York Heart Association (NYHA), The New York University Pediatric Heart Failure Index (The NYU PHFI) e Ross versão 2012. As análises estatísticas foram feitas com uso do Statistical Package for Social Science, versão 14.0, com teste de Mann-Whitney, teste qui quadrado ou de Fisher, aplicação da Curva Característica de Operação, teste de Wilcoxon e coeficiente de Kappa, para comparação das escalas, e curva Kaplan-Meier, para avaliação da sobrevida. O nível de significância adotado foi de 5%.
Resultados: Foram incluídos 57 pacientes, com idade de 1 a 200 meses (média de 48,7 ± 55,9) e seguimento de 6 a 209 meses (média de 63,6 ± 48,4). Houve substancial concordância das escalas Ross 2012 e The NYU PHFI com a NYHA (Kappa = 0,71 e 0,82, respectivamente). A análise pareada pelo teste de Wilcoxon, comparando as escalas antes e após o tratamento, foi significativa (p < 0,0001).A sobrevida maior foi encontrada nos pacientes com classes I/II pela NYHA ou pontuação menor que 11 pontos nas outras.
Conclusão: O uso das escalas de avaliação funcional da insuficiência cardíaca se mostrou útil no seguimento e na avaliação da resposta terapêutica. Pacientes que permaneceram em classes funcionais III ou IV de NYHA, ou com pontuação igual ou maior que 11 na Ross 2012 ou na The NYU PHFI tiveram pior prognóstico. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)12-21)

Palavras-chave: Cardiomiopatia Dilatada, Prognóstico, Insuficiência Cardíaca, Escalas, Criança, Adolescentes.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Correlação entre Atividade Física e Variáveis Clínicas de Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio
Correlation Between Physical Activity and Clinical Variables in Patients with Acute Myocardial Infarction

Maria Carolina Basso Sacilotto, Carlos Fernando Ramos Lavagnoli, Lindemberg Mota Silveira-Filho, Karlos Alexandre de Souza Vilarinho, Elaine Soraya Barbosa de Oliveira, Daniela Diógenes de Carvalho, Pedro Paulo Martins de Oliveira, Otávio Rizzi Coelho-Filho, Orlando Petrucci Junior
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)22-25

+   Resumo  
Fundamentos: A atividade física reduz o risco de doença coronariana, uma das principais causas de morte no mundo.
Objetivos: Este estudo pretende correlacionar as atividades físicas com variáveis clínicas de pacientes internados em hospitais públicos de Santa Catarina após o primeiro infarto agudo do miocárdio.
Métodos: Os pacientes selecionados foram submetidos a questionário que engloba diferentes variáveis clínicas. A atividade física foi mensurada através do Escore de Baecke. Os dados obtidos foram tabulados e analisados através do software SPSS 13.0 for Windows. A avaliação da normalidade foi realizada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov. A correlação entre duas variáveis quantitativas foi avaliada pela Correlação de Pearson. Foram considerados significativos valores de p < 0,05.
Resultados: O estudo evidenciou uma correlação positiva fraca entre o escore de Baecke e anos de escolaridade com r = 0,361 (p = 0,001). Houve uma correlação negativa fraca entre o escore de Baecke e o escore de depressão PHQ9 com r = -0,252 (p = 0,009). O estudo também apresentou correlação negativa fraca entre o escore de depressão PHQ9 e o Mini Mental com r = -0,258 (p = 0,007), assim como uma correlação negativa fraca entre o PHQ9 e os anos de escolaridade com r = -0,199 (p = 0,039).
Conclusões: Existe uma correlação positiva entre atividade física e anos de escolaridade em pacientes internados com o primeiro infarto agudo do miocárdio. Há também uma correlação negativa entre atividade física e depressão nesses pacientes, assim como uma correlação negativa entre depressão e o Mini-Mental, e depressão e anos de escolaridade. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)22-25)

Palavras-chave: Exercício, Infarto do Miocárdio, Doença da Artéria Coronariana / prevenção & controle, Aptidão Física.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Comparação de Escores Anatômicos e Clínicos na Predição de Desfechos em Intervenções Coronarianas Percutâneas Primárias
Comparison of Anatomical and Clinical Scores in Predicting Outcomes in Primary Percutaneous Coronary Intervention

Fernando Pivatto Júnior, Gustavo Neves de Araújo, Felipe Homem Valle, Luiz Carlos Corsetti Bergoli, Guilherme Pinheiro Machado, Bruno Führ, Elvis Pellin Cassol, Ana Maria Rocha Krepsky, Rodrigo Vugman Wainstein, Marco Vugman Wainstein
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)26-32

+   Resumo  
Fundamento: Diferentes escores baseados em variáveis anatômicas e/ou clínicas têm sido desenvolvidos para estratificação de risco em pacientes submetidos à intervenção coronariana percutânea (ICP). Estudos comparando a capacidade desses modelos na predição de eventos cardíacos e cerebrovasculares adversos maiores (ECCAM) em pacientes submetidos à ICP primária são escassos.
Objetivo: O objetivo desse estudo foi o de comparar os escores SYNTAX (SS), Clinical SYNTAX (CSS), ACEF e ACEF modificado (ACEFMod) na predição de ECCAM em pacientes com infarto agudo do miocárdico com supradesnivelamento do segmento ST (IAMCSST) submetidos à ICP primária.
Métodos: Foram analisados 311 pacientes consecutivos com IAMCSST submetidos a ICP primária entre abril/2011 e dezembro/2015. As áreas sob a curva característica de operação do receptor (ROC) foram calculadas para avaliar a habilidade desses escores em predizer ECCAM. O nível de significância adotado em todos os testes foi de 5%.
Resultados: Os pacientes apresentaram idade média de 60,2 ± 12,0 anos, 35,4% eram do sexo feminino e 22,5% eram diabéticos. A ocorrência de ECCAM foi observada em 23,8% dos participantes. A área sob a curva ROC foi 0,586 (p = 0,028) para ACEF, 0,616 (p = 0,003) para SS, 0,623 (p = 0,002) para ACEFMod e 0,658 (p < 0,001) para CSS. Na análise multivariada, apenas SS (p = 0,011) e CSS (p = 0,002) foram preditores independentes de ECCAM.
Conclusões: SS e CSS elevados foram preditores independentes de ECCAM. Em nossa coorte de pacientes com IAMCSST submetidos à ICP primária, o SS calculado à cineangiocoronariografia inicial mostrou-se uma ferramenta útil para predizer ECCAM. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)26-32)

Palavras-chave: Infarto do Miocárdio, Intervenção Coronária Percutânea, Doença da Artéria Coronariana, Probabilidade.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Visão Geral com Meta-Análise de Revisões Sistemáticas sobre o Valor Diagnóstico e Prognóstico da Angiotomografia de Coronárias na Emergência
Overview with Meta-analysis of Systematic Reviews of the Diagnostic and Prognostic Value of Coronary Computed Tomography Angiography in the Emergency Department

Irlaneide da Silva Tavares, Carlos José Oliveira de Matos, Marco Antonio Prado Nunes, Antonio Carlos Sobral Sousa, Divaldo Pereira de Lyra Júnior, Joselina Luzia Menezes Oliveira
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)33-46

+   Resumo  
Fundamento: A alta prevalência de DAC, bem como seu impacto sobre as despesas de saúde e as várias opções de tratamento para reduzir a morbidade e mortalidade relacionados a DAC, vem desenvolver uma ferramenta de diagnóstico precisa e com resultados importantes no departamento de emergência.
Objetivo: Fornecer visão geral com meta-análise para compilar evidência a partir de múltiplas revisões sistemáticas (RS) sobre o valor diagnóstico e prognóstico da angiotomografia computadorizada de artérias coronárias (ATCC) na avaliação da dor torácica aguda no setor de emergência (SE).
Métodos: Incluímos RS de estudos primários avaliando o valor diagnóstico e prognóstico da ATCC ≥ 64 canais no SE. Os estudos foram conduzidos em pacientes de risco baixo e intermediário para doença arterial coronariana (DAC). Realizou-se avaliação qualitativa usando PRISMA, e aquelas que pontuaram ≥ 80% foram aprovadas. Dois autores extraíram dados independentemente usando um formulário padrão. Os testes de correlação de Spearman, do qui­quadrado, Q de Cochran ou a estatística I2 de Higgins e Thompson foram usados, assim como o pacote estatístico "mada" (R Core Team, 2015) para meta-análise. Adotou-se o nível de significância de 95%.
Resultados: Quatro RS foram elegíveis para inclusão neste estudo, resultando em 13 artigos após aplicação dos critérios de exclusão, sendo apenas 10 usados para a meta-análise, num total de 4831 pacientes (idade média, 54 ± 6 anos; 51% homens), dos quais 46% tinham hipertensão, 32% dislipidemia, 13% diabetes e 26% história familiar de DAC prematura. Na meta-análise, 9 estudos definiram ATCC positiva na presença de lesões luminais ≥ 50%, enquanto 1 estudo definiu ATCC positiva na presença de lesões luminais ≥ 70%. A sensibilidade variou de 77% a 98%, e a especificidade, de 73% a 100%. A análise univariada mostrou homogeneidade do odds ratio diagnóstico (DOR) [Q = 8,5 (df = 9), p = 0,48 and I2 = 0%]. A estimativa sumária da DOR para ATCC nas análises primárias foi de 4,33 (IC95%: 3,47 – 5,18). A área sob a curva foi 0,982 (IC95%: 0,967 – 0,999). Houve 29 (0.6%) infartos, 92 (1,9%) revascularizações, 312 (6,4%) angiografias coronarianas invasivas e nenhuma morte. Síndrome coronariana aguda foi diagnosticada em 7,3% dos 1655 pacientes incluídos na meta-análise.
Conclusões: O uso de ATCC como ferramenta para estratificação de pacientes de risco cardiovascular baixo e intermediário, que procuraram o SE com dor torácica, tem alta acurácia e segurança, reduz a permanência no hospital e provavelmente os custos, produzindo diagnóstico precoce e uma tomada de decisão mais efetiva. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)33-46)

Palavras-chave: Doença da Artéria Coronariana, Tomografia Computadorizada por Raios X, Dor no Peito, Medicina de Emergência, Metanálise como Assunto.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Avaliação da Relação do Índice Tornozelo-Braquial com a Gravidade da Doença Arterial Coronária
Assessment of the Relationship of Ankle-Brachial Index With Coronary Artery Disease Severity

Edison Nunes Pereira, Priscila Valverde de Oliveira Vitorino, Weimar Kunz Sebba Barroso de Souza, Mariana Cardoso Pinheiro, Ana Luiza Lima Sousa, Paulo Cesar Brandão Veiga Jardim, Jeeziane Marcelino Rezende, Antonio Coca
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1))47-55

+   Resumo  
Fundamento: A Doença Arterial Periférica (DAP) está associada a eventos cardiovasculares, podendo ser diagnosticada e estimada através do Índice Tornozelo-Braquial (ITB). Está bem estabelecido que o ITB é fator agravante na estratificação de risco cardiovascular, mas sua contribuição para definir a gravidade do acometimento arterial coronariano não está bem estabelecida.
Objetivos: Estudo testou o valor do ITB com a gravidade da doença aterosclerótica coronariana pelo Escore de Syntax (ES) em pacientes com Síndrome Coronariana Aguda (SCA).
Métodos: Estudo prospectivo com medida do ITB de todos os pacientes internados com SCA no Hospital São Lucas da PUCRS, consecutivamente, de maio a setembro de 2016, e comparação de seu valor com o ES e tipos de SCA desses pacientes. As análises foram realizadas considerando-se o nível de confiança de 95% (α = 5%).
Resultados: 101 pacientes, com média de idade de 62,6±12,0 anos, 58 (57,4%) masculinos, 74 (82,2%) hipertensos, 33 (45,8%) diabéticos e 46 (45,5%) com infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do ST (IAMCSST). A gravidade da DAP não teve relação com a gravidade anatômica da doença arterial coronariana (DAC). Encontramos uma associação significativa de ES intermediário com infarto agudo do miocárdio sem supradesnivelamento do ST (IAMSSST) e de ES baixo com angina instável (AI) [OR (IC95%): 1,11 (1,03-1,20); p = 0,004], que se manteve após análise multivariada, ajustada para idade, tabagismo, história familiar de DAC e DAC prévia [OR (IC95%): 1,13 (1,02-1,25); p = 0,019].
Conclusões: Analisando nossos resultados, encontramos que pacientes com ITB < 0,9 não apresentaram associação com maior complexidade determinada pelo ES em pacientes com SCA. Os pacientes com IAMSSST estiveram mais associados com ES intermediário. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)47-55)

Palavras-chave: Índice Tornozelo-Braço, Síndrome Coronariana Aguda, Doença da Artéria Coronariana, Índice de Severidade da Doença, Aterosclerose, Doença Arterial Periférica.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015
Mortality Trend Due to Cerebrovascular Accident in the City of Maringá, Paraná between the Years of 2005 to 2015

Jéssica Pizatto de Araújo, João Vinícius Valério Darcis, Adriana Cunha Vargas Tomas, Willian Augusto de Mello
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1))56-62

+   Resumo  
Fundamentos: O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a segunda maior causa de morte no mundo, responsável por 6,7 milhões de óbitos em 2012. No Brasil, entre as principais causas de morte, as doenças cerebrovasculares ocupam o primeiro lugar.
Objetivo: Analisar a tendência de óbitos por AVC no município de Maringá-Paraná entre os anos de 2005 e 2015.
Métodos: Estudo de corte transversal de séries temporais realizado na Secretaria Municipal de Saúde de Maringá. Foram utilizados dados secundários de declarações de óbitos por AVC no município de Maringá entre os anos de 2005 e 2015, selecionadas de acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID 10) de código I60 ao I69. Para a verificação de tendência, utilizou-se o modelo de regressão polinomial. Os coeficientes de mortalidade (CM) por causa foram calculados empregando-se o total dos óbitos dividido pela população exposta ao risco, multiplicados por cem mil. Foram analisadas as tendências empregando-se o modelo de Regressão Polinomial, considerou-se significativo quando p < 0,05. Os dados populacionais foram obtidos no banco de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Resultados: O acidente vascular cerebral foi responsável por 1.843 mortes no período estudado, sendo que o CID 10 - I64, I69.4 e I61.9 foram os mais encontrados. Os anos com maior número de óbitos pela doença foram 2007 e 2008. 52% dos óbitos aconteceram no sexo masculino e 74% em indivíduos com mais de 65 anos.
Conclusões: A tendência de mortalidade geral apresentou-se constante, mas houve tendência crescente de mortes no sexo masculino, estado civil casado e raça branca. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)56-62)

Palavras-chave:e Vascular Cerebral / mortalidade, Epidemiologia, Mortalidade, Fatores de Risco.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Terapia de Expansão Pulmonar na Oxigenação Arterial e Nível Sérico de Lactato no Pós‑Operatório de Cirurgia Cardíaca
Expansion Pulmonary Therapy in Blood Oxygenation and Lactate Serum Level in Postoperative Cardiac Surgery

Silvana Souza Oliveira, Mansueto Neto, Roque Aras Junior
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1))63-70

+   Resumo  
Fundamentos: Complicações cardiovasculares e pulmonares ocorrem com frequência no período pós-operatório imediato e podem ser prevenidas e/ou tratadas através da utilização de técnicas de expansão pulmonar.
Objetivo: Avaliar a eficácia das técnicas de expansão pulmonar nos níveis séricos de lactato arterial e oxigenação de pacientes nesta fase de recuperação cirúrgica.
Método: Foi realizado um estudo prospectivo e analítico em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca, estáveis hemodinamicamente. Medidas de nível de lactato e pressão parcial de oxigênio foram obtidas através da coleta do sangue arterial antes e após as técnicas de expansão pulmonar, como manobra de recrutamento alveolar e respiração por pressão positiva intermitente.
Resultados: Foram incluídos 40 pacientes com idade média de 51,1 ± 14,9 anos, sendo que 55% eram do sexo feminino. Pode-se observar diferença estatisticamente significativa (p < 0,05) na comparação dos valores do baseline e pós-intervenção para o lactato arterial, índice de oxigenação, fração inspirada e na saturação de oxigênio em ambos os procedimentos. Para o desfecho pressão arterial de oxigênio, somente o grupo que realizou respiração por pressão positiva intermitente obteve melhora significativa.
Conclusão: As técnicas de expansão pulmonar utilizadas contribuíram na redução do nível de lactato arterial, na melhora da oxigenação e na saturação de oxigênio desta população, mas não alterou o tempo de internamento na unidade de terapia intensiva. (Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)63-70)

Palavras-chave: Cirurgia Torácica, Modalidades de Fisioterapia, Cuidados Pós-Operatórios, Oxigenação, Nível de Oxigênio, L-Lactato Desidrogenase.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 


ARTIGO DE REVISÃO

Como Melhorar as Práticas de Medicina Nuclear em Cardiologia nas Economias Emergentes: Papel da Agência Internacional de Energia Atômica
Improving Nuclear Medicine Practices in Cardiology in the Emerging Economies: Role of the International Atomic Energy Agency

Maurizio Dondi, Thomas Pascual, Diana Paez
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)71-78

+   Resumo  
As doenças cardiovasculares (DCVs) representam 38% do total das doenças não transmissíveis (DNTs), seguidas de câncer com 27%. Os países de baixa e média renda (PBMRs) são particularmente afetados pelas DCVs, já que mais de 75% de todas as mortes por DCV ocorrem nesses países. Os dados prognósticos globais são alarmantes, pois estima-se que 23,6 milhões de pessoas morrerão por ano devido a DCVs até 2030. Por esse motivo, a Agenda de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, com seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), visa a reduzir a mortalidade precoce por DNT em 30% até 2030. Dentro da família das Nações Unidas, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) está encarregada de promover o uso seguro e pacífico das tecnologias nucleares. A AIEA está fortemente empenhada em realizar a Agenda das Nações Unidas de 2030 e, através da Divisão de Saúde Humana, contribuir para o sucesso dos ODSs. Um dos principais objetivos da Divisão de Saúde Humana é apoiar os Estados Membros para enfrentar o ônus das DCVs através do seu subprograma de Medicina Nuclear e Diagnóstico por Imagem. Isto é conseguido apoiando o estabelecimento e o fortalecimento das capacidades dos Estados Membros para oferecer o uso apropriado e seguro de aplicações clínicas de cardiologia nuclear. O apoio consiste em ajudar os países nos estágios de planejamento e implementação, fornecendo treinamento, mantendo e melhorando a qualidade da prática clínica, estabelecendo sistemas de gerenciamento de qualidade e aconselhando sobre como cumprir os padrões internacionais, além de usar a tecnologia de forma adequada e segura. Esta revisão abrangerá as atividades da AIEA para promover, implementar e apoiar aplicações nucleares em cardiologia em PBMRs.

Palavras-chave: Doenças Cardiovasculares/diagnóstico por imagem, Medicina Nuclear, Miocárdio/cintilografia, Agências Internacionais, Energia Nuclear.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 


RELATOS DE CASO

Infarto do Miocárdio após Acidente Ofídico
Myocardial Infarction after Snake Bite

Rafael Alessandro Ferreira Gomes, Fabiano Lima Cantarelli, Franklin Almeida Vieira, Aluisio Roberto Andrade Macedo Jr., Milena Motta de Almeida Gouveia, Audes Diogenes de Magalhães Feitosa
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)79-81

+   Introdução  
Eventos cardíacos são raramente associados a acidentes ofídicos, em especial os de serpentes da família Elapidae. Relatamos uma vítima de acidente ofídico que, em poucas horas, desenvolveu infarto do miocárdio em parede inferior com boa evolução clínica.

Palavras-chave: Mordeduras de Serpentes/complicações, Infarto do Miocárdio, Dor no Peito, Leucocitose, Trombose Coronária/complicações, Angioplastia.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 

Transplante Cardíaco na Distrofia Muscular de Becker: Relato de Caso com Seguimento de 15 Anos
Heart Transplantation in Becker Muscular Dystrophy Patient: Case-Report of a 15-Year Follow-up

Marcio Madeira, Sara Ranchordás, Tiago Nolasco, Marta Marques, Maria José Rebocho, José Neves
International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1)82-84

+   Introdução  
A distrofia muscular de Becker é uma doença genética rara com incidência de aproximadamente 1: 30 000 em homens.1 A doença resulta de uma mutação recessiva ligada ao gene localizado no Xp21, que codifica a proteína distrofina.1 As manifestações clínicas incluem fraqueza progressiva do músculo esquelético e cardiomiopatia dilatada que podem levar à insuficiência cardíaca refratária.2 Não existe correlação entre gravidade das manifestações cardíacas e anormalidades genéticas.2

Palavras-chave: Distrofia Muscular de Duchenne/genética, Miotonia Congênita, Transplante de Coração, Assistência do Seguimento.

PDF PORT   PDF ENGLISH  
 





Baixe agora o aplicativo do International Journal of Cardiovascular Sciences,
disponível para todos os dispositivos móveis.



Desenvolvido pela Tecnologia da Informação e Comunicação da SBC | Todos os Direitos Reservados © Copyright 2016 | Sociedade Brasileira de Cardiologia | tecnologia@cardiol.br