Português | English

ISSN (Impressa): 2359-4802 | ISSN (Online): 2359-5647




Edição: 30.6 - 13 Artigo(s)




Voltar ao Sumário






RELATO DE CASO
http://www.dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20170077


Hipercolesterolemia Familiar: a Importância do Diagnóstico e Tratamento Precoces
Familial Hypercholesterolemia: the Importance of Early Diagnosis and Management

Ana Flavia Cassini Cunha e Iliana Ribeiro


Figura 2 – Evolução dos valores de colesterol total e LDLc.

IntroduÇÃo

A Hipercolesterolemia Familiar (HF) é uma doença hereditária autossômica dominante, sendo uma doença genética do metabolismo das lipoproteínas, principalmente por defeito do gene LDLR que codifica o receptor de LDL.1-4 O diagnóstico é estabelecido por critérios clínicos e laboratoriais devendo sempre ser hipótese diagnóstica em pacientes com níveis de colesterol da lipoproteína de baixa densidade (LDLc) superiores a 190mg/dL; e pode ser confirmado por testes genéticos que determinam a mutação.1,2 Alguns critérios diagnósticos têm sido propostos na tentativa de uniformizar e formalizar o diagnóstico de HF, como por exemplo, os da Dutch Lipid Clinic Network (Dutch MEDPED).1
Neste calcula-se uma pontuação para o paciente baseado em dados de anamnese e exames físico e laboratoriais tais como taxas elevadas de LDLc; características como xantomas tendinosos e arco corneano; história clínica e familiar de hipercolesterolemia e/ou doença arterial coronariana precoce (homem < 55 anos e mulher < 60 anos) e identificação de mutações genéticas.1,3 A pontuação determina a probabilidade de um Diagnóstico HF como HF possível, provável ou definitivo.1 A mutação mais comum relacionada à HF está no gene que codifica o receptor da LDL, resultando em receptores de LDL com reduções funcionais em sua capacidade de remover LDLc da circulação.3 Existem dois fenótipos distintos: a forma homozigótica, onde são herdados dois genes defeituosos e os receptores de LDL não tem funcionalidade; forma rara, 1 em 1 milhão de indivíduos e observam-se níveis de LDLc > 650 mg/dL; e a forma heterozigótica, onde um gene defeituoso para o receptor de LDL é herdado de um dos pais e um gene normal, do outro.1 A ausência de um gene funcional causa aumento no nível plasmático de LDLc; forma mais frequente, acomete 1 em 500 indivíduos com níveis de LDLc >200mg/dL.1 A forma homozigótica tende a apresentar acometimento cardiovascular já na infância.1 A mutação também pode ser secundária a defeitos no gene APOB que codifica a apolipoproteína B100, ou por mutações com ganho de função no gene pró‑proteína convertase subutilisina/kexina tipo 9 (PCSK‑9)1,3,4 Nos pacientes com HF heterozigótica as partículas de LDL circulam por mais tempo, estando mais sujeitas a oxidação e transformações químicas que resultam na alta captação de LDL modificado por macrófagos, deflagrando mecanismos pró-aterogênicos, tendo como consequência aterosclerose, doença arterial coronariana e doença arterial periférica.1 As terapias nutricionais, medicamentosa e exercícios físicos regulares auxiliam no controle dos níveis de LDL e prevenção de doença cardiovascular.1-3 Recomenda-se diminuição da ingestão de alimentos ricos em colesterol e ácidos graxos saturados.1-3 A terapia farmacológica é feita com estatinas de alta potência, como Atorvastatina (10-80mg) e Rosuvastatina (10-40 mg), visando obter redução maior que 50% do nível basal.1 Em pacientes intolerantes a estatina poderá ser feito terapia com outros hipolipemiantes, como ezetimiba, niacina ou colestiramina; as quais também poderão ser combinadas entre si, em pacientes maus respondedores a terapia isolada com estatinas.1,3 A terapia medicamentosa deverá ser prescrita individualmente e ser mantida em longo prazo, com seguimento médico regular, com avaliação de enzimas hepáticas (TGO/TGP) e musculares (CPK).1,2 É recomendado rastreio com perfil lipídico em todos os indivíduos acima de 10 anos de idade e em todos os parentes de primeiro grau dos indivíduos diagnosticados como portadores de HF.1 Na presença de fatores de risco, sinais clínicos de HF ou doença aterosclerótica, o perfil lipídico deve ser considerado a partir de 02 anos de idade.1
Neste relato, descreve-se o caso de paciente na quarta década de vida com Hipercolesterolemia Familiar, que foi submetida a tratamento, com êxito, com estatina de alta potência.

Palavras-chave: Doença Arterial Periférica, Aterosclerose, Indice Tornozelo-Braço, Hipercolesterolemia Tipo II.




Baixe agora o aplicativo do International Journal of Cardiovascular Sciences,
disponível para todos os dispositivos móveis.



Desenvolvido pela Tecnologia da Informação e Comunicação da SBC | Todos os Direitos Reservados © Copyright 2016 | Sociedade Brasileira de Cardiologia | tecnologia@cardiol.br